fundo parallax

Desvendando o poder da mentalidade (mindset)– parte 1

Uma das coisas mais enriquecedoras é poder compartilhar aquilo que a gente acredita e hoje eu tive essa oportunidade com uma amiga. Ela estava muito curiosa com os posts que venho fazendo do Projeto Fitnessmente, pois queria entender o que pode fazer alguém como ela que faz exercícios ocasionalmente para se tornar uma praticante regular. Sempre que surge este tipo de oportunidade faço questão de ressaltar que eu também era uma praticamente irregular e igualmente carregava comigo uma série de “crenças” que me limitavam até que teve um dia em que eu decidi mudar e comecei a me observar, assim como eu faço com meus pacientes no consultório de psicologia. Foi então que eu pude me  flagrar, quer dizer, pude flagrar minha “ mentalidade  fixa” funcionando. Naquele momento, eu ainda não conhecia este conceito da pesquisadora e psicóloga Carol Dweck que aborda a Psicologia do Sucesso, mas como terapeuta cognitivo-comportamental entendia a importância daquilo que a gente acredita profundamente sobre o nosso comportamento, o qual chamamos de crenças nucleares (auto conceitos rígidos sobre si mesmo, sobre o mundo e sobre o futuro).

 

E o que minha mente fixa me dizia? Ela tinha um jeito muito interessante de  funcionar, preciso admitir, pois me “livrava” de ter que lidar com possíveis fracassos na prática de me exercitar. Ela me advertia que exercício regular era coisa de quem não tem o que fazer, que não valia a pena começar, pois jamais seria como as blogueiras fitness. Além do mais, a prática era quase como uma “vocação”, ou você nasce com ela ou nem adianta tentar. Pelo que estou descrevendo, é possível perceber que não é nada diferente do que pode estar acontecendo com você neste momento, ou seja, eu ostentava uma “mentalidade fixa” com muito orgulho, do tipo: isso não é para mim!

Porém,quando eu decidi me comprometer de verdade e começei a me observar, eu identifiquei que em outras áreas da minha vida eu pensava e agia de um jeito bem diferente. Quando surgia um obstáculo, eu pensava:  ok, eu AINDA  não sei fazer,  mas vou aprender! Eu não contava com os resultados imediatos, ao contrário, eu aceitava as etapas do processo e até me sentia muito entusiasmada com o frio na barriga quando tinha que encarar algo completamente novo pela primeira vez. E foi assim que me senti quando entrei no mestrado, depois no doutorado, quando me mudei de cidade, quando viajei sozinha…a minha mentalidade  em tudo isso que falei agora foi a de “crescimento”, ou seja, aceitava o desafio, valorizava o esforço,  desenvolvendo a mim mesmo cada momento. Quando me dei conta disso, resolvi que encararia a prática do exercício da mesma maneira, e foi quando as coisas começaram a mudar. No próximo texto, vou mostrar para você como usar a mentalidade de crescimento na aquisição do exercício físico. Vem comigo!

Inscreva-se no canal do Youtube e acompanhe o FitnessMente. 

 

– – –
Produzido por Adna Rabelo
Psicóloga, com mais de 10 anos de experiência profissional na área clínica, é Doutora em Educação – UFC/UAB e Mestre em Psicologia – UFC. Idealizadora do Fitnessmente, projeto que nasceu da necessidade de trazer informação de qualidade para as pessoas sobre a relevância da atividade física como um fator essencial para uma melhor performance produtiva e regulação emocional. Colaboradora voluntária da Fórmula Academia, Adna apresenta, de quinze em quinze dias, um conteúdo novo para ajudar as pessoas a identificarem seus principais sabotadores e, principalmente, aprenderem como usar a mente neste processo de aquisição e/ou manutenção de um novo hábito.